segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Adeus, Ano Velho


Adeus, Ano Velho
Arapongas, 31 de Dezembro de 2012 20:49

E este ano que antes era novo, novinho em folha como meu caderno
Que antes era prometedor como aquela falsa jura de amor eterno
Que era brilhante e cheio de esperança como meu console da atual geração
Que causava expectativa nas pessoas que estavam todas de branco nesta nação

Esse ano novo, de dois mil e dose que agora estamos dando adeus
Nunca mais voltará para revivermos alguma coisa que se passou em sua esfera de tempo
Neste ano de dois mil e doze eu conheci muitas pessoas, ganhei e perdi várias coisas
Neste ano de dois mil e doze, fiz muitas coisas e deixei de fazer algo que contemplo

Este ano novo, que agora já está velho em o mesmo destino que o ano novo terá
Quando dois mil e treze estiver no dia trinta e um de dezembro, ele não mais será novo
Será um ano velho, assim como este... Então, por que desejar feliz ano novo se ele ficará velho?
O que nunca pode ficar velho é a minha vontade de vencer e sorrir para o meu povo

Adeus dois mil e doze, adeus.
Nunca mais nesta parte do mundo haverá outro ano de dois mil e doze
Nunca mais...
Por isso lhe digo adeus, e tanto faz

Helder Henrique do Nascimento Peres 21:03