sexta-feira, 27 de abril de 2012

Nunca Sobrevirei Até Me Notarem


Nunca Sobrevirei Até Me Notarem

Londrina, 27/04/2012 09:15

Você pode até não me olhar, e nem saber por que estou aqui
Por que eu estou tentando me importar
Não sei por que preciso me motivar
Para escrever coisas que ninguém vai ler

Então me diga, oque você vai levar desta vida quando morrer?
Será que consegue me entender, o que eu te disse?
Ou acha isso uma tremenda babaquice?
Não me importo oque seja, eu queria que você visse

E Veja! Veja tudo o que eu tenho para oferecer!
Nesta vida onde felicidade e tristeza é uma gangorra
As alegrias vêm e vão, as tristezas também logo são
E isso só vai acabar até o dia em que você morra

Então para que entristecer?
Se você nunca isso ler?
Quero muito, mas muito viver!
E uma rima pobre, que é rima com verbos, eu irei fazer

Mas e daí, se a rima é pobre
Não importa, já que o seu coração é tão duro quanto o cobre
E não serve para nenhuma outra porcaria
A não ser falar mal e viver em hipocrisia!

Então quando você envelhecer
E até que em fim amadurecer
Notará que ao seu lado esteve um poeta
Que não era tão belo, mas era um atleta

Ele suportava sua ignorância
Tinha uma grande tolerância...
Em outras palavras ele morreu
E como outra rima pobre, sua sabedoria, você perdeu!

Helder Henrique do Nascimento Peres 09:26