domingo, 10 de julho de 2011

Devagar, suave, quente e feroz ao mesmo tempo!

Devagar, suave, quente e feroz ao mesmo tempo!
Londrina, três de março de 2011 8h26m

Tão calma tão macia
Ela suavemente dorme respira de leve e repousa
Imóvel e indefesa contra o meu ataque.
Tocá-la? Quem é que ousa?

Ao ver seus dormentes olhos cerrados
Seu cabelo negro balançando com sua inspiração
Seus lábios rosados refletindo a leveza de seu sono
Provocando-me uma intensa sensação!

Ao ver sua feminilidade vibrante
Ecoando alto em meu cérebro
Fico imaginando o que é certo fazer!
Antes de acontecer...

O que sinto é vontade de penetrar
A doçura dos seus lábios
Violar o seu sono sem você perceber
Por puro egoísmo me satisfazer

Menininha boba, por que não reage?
Sabe que isso tudo pode ser uma miragem
O que podes tu estar sonhando, nesse momento
Pode não ser tão bom depois da viagem
Mas isso não importa, pois está aqui parada e conformada
Seus lábios quentes devagar eu vou consumido com lambidas
Não sei se aprovas essa façanha assanhada
Minha boca segue a direita, e ainda não revidas

Sendo assim penetro com minha língua
Voltando para esquerda, tenho tempo de respirar
E quando volto ainda dentro dos seus lábios ouso a esticar
Minha língua em sua boca, passando seus lábios se aprofunda

Sinto sua boca abrasar
E meu coração de ironia gelar
Mas ainda parada, dormindo, imóvel
Para direita, com os lábios e para frente com a língua assim vou

Para esquerda e voltando com o membro da fala,
Oh meu Deus!!
A poesia acabou
Pois ela inacreditavelmente, na hora mais improvável ela acordou!!!!

Helder Henrique do Nascimento Peres! 8h43m

Os: Como Londrina é inspiraste!!